Google+ Followers

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Nikola Tesla - Conversando com os Planetas





Tradução: Kátia Brunetti

Embora Nikola Tesla, no início de sua carreira, foi responsável por alguns brilhantes trabalhos em pesquisa elétrica, nos últimos anos de sua vida, seus projetos eram mais especulativos e considerados "de outro mundo". Em particular, suas ideias sobre transmissões de longa distância eram bastante vagas, e pareciam ter sido baseadas em teorias sobre a condução e indução elétrica, e não transmissão de rádio, que utiliza a radiação eletromagnética. Em todo o caso, apesar de sua promessa de "em breve converter os descrentes", muito do que ele falou nunca foi claramente explicado ou demonstrado funcionar realmente.

  Collier Weekly, 09 de fevereiro de 1901, página 4-5:


Nikola Tesla, conversando com os Planetas

NOTA DO EDITOR -- O senhor Nikola Tesla conseguiu alguns resultados maravilhosos em descobertas elétricas. Agora, com o início do novo século, ele anuncia uma conquista que vai surpreender todo o universo, e que eclipsará o sonho mais louco do cientista visionário. Ele recebeu uma comunicação, afirma ele, vinda do grande vazio do espaço: um chamado dos habitantes de Marte ou Vênus, ou algum outro planeta irmão! E, além disso, observou que cientistas como Sir Norman Lockyer, estão dispostos a concordar com ele em suas deduções surpreendentes. 
O Sr. Tesla não só descobriu muitos princípios importantes, mas a maioria de suas invenções estão em uso prático: nomeando, por exemplo, as forças titânicas das Cataratas de Niágara, e a descoberta de uma nova luz por meio de um tubo de vácuo. Ele próprio declara que resolveu o problema de telegrafar sem fios ou condutores artificiais de qualquer tipo, utilizando a terra como meio. Por meio deste princípio, ele espera ser capaz de enviar mensagens sob o oceano, bem como a qualquer distância na superfície terrestre. A comunicação interplanetária interessou-o por anos, e ele não vê nenhuma razão pela qual não deve ser em breve, encurtada a distância de se falar com Marte ou outros mundos do sistema solar que possam ter seres inteligentes. 
A pedido da Collier's Weekly, o Sr. Tesla apresenta em anexo uma declaração franca sobre o que ele espera realizar e estabelecer a comunicação com os planetas.




A ideia de se comunicar com os habitantes de outros mundos é antiga. Mas por anos, tem sido considerada apenas um sonho de um poeta, sempre irrealizável. E com a invenção e aperfeiçoamento do telescópio e o conhecimento cada vez maior dos céu, sua influência sobre nossa imaginação foi aumentando, e as realizações científicas durante a última parte do século XIX, juntamente com o desenvolvimento da tendência para o natureza ideal de Goethe, intensificou-a a tal ponto que parece como se estivesse destinado a se tornar a ideia dominante do século que acaba de começar. O desejo de conhecer algo dos nossos vizinhos nas profundezas imensas de espaço não emerge da curiosidade nem de sede de conhecimento, mas a partir de uma causa mais profunda, e um sentimento firmemente enraizado no coração de cada ser humano capaz de pensar em tudo.

 De onde, então, ela vem? Quem sabe? Quem pode atribuir limites para a sutileza das influências da natureza? Talvez, se pudéssemos perceber claramente todo o mecanismo do espetáculo glorioso que está continuamente se desdobrando diante de nós, poderíamos, também, traçar esse desejo de sua origem distante, e encontrá-lo nas vibrações dolorosas da terra que começou quando ele separou de seu pai celestial. Mas neste momento de razão, não é surpreendente encontrar pessoas que zombam o próprio pensamento de estabelecer comunicação com um planeta. Em primeiro lugar, o argumento é feito de que existe apenas uma pequena probabilidade de outros planetas serem habitados. Esse argumento nunca me atraiu. No sistema solar, parece haver apenas dois planetas - Vênus e Marte - capazes de sustentar a vida como a nossa, mas isso não significa que pode não haver em todos eles outras formas de vida. Processos químicos podem ser mantidos sem o auxílio de oxigênio, e ainda é uma questão de saber se os processos químicos são absolutamente necessários para o sustento dos seres. Minha ideia é que o desenvolvimento da vida deve conduzir as formas de existência que serão possíveis sem alimento e que não serão algemados pelas consequentes limitações. Por que um ser vivo não ser capaz de obter toda a energia de que necessita para o desempenho das suas funções vitais do meio ambiente, em vez de consumir alimentos, por um processo complicado, a energia de combinações químicas para sustentação da vida energia? Se houvesse tais seres em um dos planetas, não sabemos quase nada sobre eles. Também não é necessário ir tão longe em nossas premissas, pois podemos facilmente conceber a ideia que, no mesmo grau que a atmosfera diminui de densidade, a umidade desaparece e o planeta congela, a vida orgânica também pode sofrer modificações correspondentes, levando finalmente a formas que, de acordo com nossas ideias atuais da vida, são impossíveis. Admito, é claro, que no caso de haver uma súbita catástrofe, qualquer tipo dos processos vitais, podem acontecer; mas se a mudança, não importa quão grande ela seja, deve ser gradual e longa, de modo que o resultado final possa ser inteligentemente previsto, não posso deixar de pensar que os seres racionais ainda iriam encontrar meios de existência. Eles iriam se adaptar ao seu ambiente em constante mudança. Então, eu acho que é bastante possível que, em um lugar congelado, como dizem que a Lua deva ser, os seres inteligentes podem ainda habitar, em seu interior, se não em sua superfície.

Sinalização à 100 milhões de milhas!

Neste momento, argumenta-se que é além do poder humano e criatividade transmitir sinais para as distâncias quase inconcebíveis de cinquenta milhões ou cem milhões milhas. Este pode ter sido um argumento válido anteriormente. Não é assim agora. A maioria dos que estão entusiasmados sobre o assunto da comunicação interplanetária, repousava sua fé no raio-luz como o melhor meio possível de tal comunicação. É verdade que as ondas de luz, devido à sua imensa rapidez da sucessão, pode penetrar o espaço mais facilmente do que ondas menos rápidas, mas uma consideração simples irá mostrar que, por meio deles uma troca de sinais entre esta Terra e seus companheiros no sistema solar é, pelo menos agora, impossível. A título de ilustração, vamos supor que uma milha quadrada da superfície da Terra - a menor área que poderá, eventualmente, estar dentro do alcance da melhor visão telescópica de outros mundos - fosse coberta com lâmpadas incandescentes, embalada em conjunto, de modo a formar uma folha contínua de luz. Seria necessário, pelo menos, cem milhões de cavalos de potência para iluminar esta área de lâmpadas, e esta, muitas vezes é a quantidade de energia motriz agora a serviço do homem em todo o mundo. Mas com os novos meios, propostos por mim, posso facilmente demonstrar que, com uma despesa não superior a dois mil cavalos de potência, os sinais podem ser transmitidos para um planeta como Marte com tanta exatidão e certeza como nós, agora, enviamos mensagens por um fio de Nova York a Filadélfia. Estes meios são o resultado da experiência longa e continuada e a melhoria gradual.
Cerca de dez anos atrás, eu reconheci o fato de que para transmitir correntes elétricas a uma distância que não era de necessária empregar um fio de retorno, mas que qualquer quantidade de energia podia ser transmitida por meio de um único fio. Eu ilustrei este princípio em numerosas experiências, que, naquela época, obtive atenção considerável entre os cientistas.
Meu próximo passo foi usar a própria terra como meio para conduzir as correntes, assim dispensando fios e todos os outros condutores artificiais. Então, eu fui levado ao desenvolvimento de um sistema de transmissão de energia e de telegrafia sem o uso de fios, que eu descrevi em 1893. As dificuldades que encontramos no início das transmissão de correntes através da terra eram muito grandes. Naquela época, eu tinha em mãos um único aparelho comum, que percebi ser ineficaz, e concentrei minha atenção imediatamente nele, após aperfeiçoar máquinas para um efeito especial. Este trabalho consumiu anos, mas finalmente venceu todas as dificuldades e consegui produzir uma máquina que, para explicar o seu funcionamento em linguagem simples, se assemelhava a uma bomba de ação, sugando a eletricidade da terra e conduzindo-a de volta para a mesma em uma enorme velocidade, criando assim ondulações ou perturbações que, se espalhando pela Terra, como através de um fio, pode ser detectada a grandes distâncias por circuitos de recepção cuidadosamente afinados. Desta maneira fui capaz de transmitir até uma distância, não só os efeitos fracos para fins de sinalização, mas quantidades consideráveis de energia, e descobertas posteriores me convenceu de que eu, em última instância eu obteria sucesso na transmissão sem fios, para fins industriais, com alta economia, e a qualquer distância, no entanto enorme.




Experiências em Colorado

Para desenvolver essas invenções, fui ao Colorado onde continuei minhas investigações ao longo destas e outras linhas, uma dos quais, em especial, considero agora de importância ainda maior do que a transmissão de energia sem fios. Eu construí um laboratório em Pike's Peak. As condições do ar puro das montanhas de Colorado mostrou-se extremamente favorável para as minhas experiências, e os resultados foram muito gratificantes. Achei que poderia não só realizar mais trabalho, fisicamente e mentalmente, do que eu poderia, em Nova York, mas que os efeitos elétricos e mudanças eram mais facilmente e nitidamente percebidas. Há alguns anos, era praticamente impossível produzir faíscas elétricas vinte ou trinta pés de comprimento; mas eu produzi alguns mais de cem pés de comprimento, e isto sem dificuldades. As taxas de movimento elétrico envolvidas em fortes aparelhos de indução tinha medido algumas centenas de cavalos de potência, e eu produzi movimentos elétricos de taxas de 110 mil cavalos de potência. Antes disso, as pressões elétricas insignificantes foram obtidos, enquanto alcancei cinquenta milhões de volts.

As ilustrações que acompanham, com os seus títulos descritivos, tiradas de um artigo que escrevi para o "Century Magazine," pode servir para transmitir uma ideia dos resultados que obtive nas direções indicadas.
Muitas pessoas em minha própria profissão já se perguntaram, o que eu estou tentando fazer. Mas o tempo não está longe agora, quando os resultados práticos do meu trabalho serão colocados diante do mundo e sua influência será sentida em todos os lugares. Uma das consequências imediatas será a transmissão de mensagens sem fios, sobre o mar ou terra, a uma distância imensa. Eu já demonstrei, por meio de testes cruciais, a praticabilidade de sinalização por meu sistema de um para qualquer outro ponto do globo, não importa quão remoto, e vou logo converter os descrentes.
Tenho todas as razões para mim mesmo que, ao longo destes experimentos, muitos dos quais eram extremamente delicados e perigosos, nem eu nem nenhum dos meus assistentes receberam qualquer ferimento. Ao trabalhar com essas oscilações elétricas, poderosos fenômenos extraordinários ocorrem às vezes. Devido a alguma interferência das oscilações, verdadeiras bolas de fogo são capazes de saltar a uma grande distância, e se qualquer um fosse dentro ou perto delas, seria destruído instantaneamente. Uma máquina como eu usei poderia facilmente matar, em um instante, trezentas mil pessoas. Observei que a tensão sobre os meus assistentes estava mostrando, que alguns deles não suportavam extremas tensões nos nervos. Mas estes perigos estão agora totalmente superados, e a operação de tais aparelhos, porém poderosos, não envolve nenhum risco qualquer que seja.
Como eu estava melhorando minhas máquinas para a produção de ações elétricas intensas, eu também estava aperfeiçoando os meios para a observação de efeitos fracos. Um dos resultados mais interessantes, e também um de grande importância prática, foi o desenvolvimento de certos artifícios para indicar a uma distância de muitas centenas de milhas de uma tempestade se aproximando, sua direção, velocidade e distância percorrida. Estes aparelhos são valiosos para futuras observações meteorológicas e de levantamento, e se prestam particularmente a muitos usos navais.

Foi em continuar este trabalho que, pela primeira vez eu descobri esses efeitos misteriosos que suscitou tanto interesse incomum. Eu tinha aperfeiçoado o aparelho referido até agora no meu laboratório nas montanhas do Colorado. Eu podia sentir o pulso do mundo, por assim dizer, observando cada mudança elétrica que ocorreu dentro de um raio de 1.100 milhas.

Aterrorizado com o Sucesso

Eu nunca poderei esquecer as primeiras sensações que eu experimentei quando eu percebi ter observado algo possivelmente de consequências incalculáveis para a humanidade. Eu me senti como se estivesse presente no nascimento de um novo conhecimento ou a revelação de uma grande verdade. Mesmo agora, às vezes, eu posso recordar vividamente o incidente, e ver o meu aparelho como estivesse realmente diante de mim. As minhas primeiras observações me aterrorizaram positivamente, como estava presente neles algo misterioso, para não se dizer sobrenatural, e eu estava sozinho em meu laboratório à noite; mas naquele momento a ideia desses distúrbios serem inteligentemente sinais de que ainda não se apresentar a mim.
As mudanças que eu observei estavam ocorrendo periodicamente, e com uma sugestão tão clara do número e ordem que eles não podiam ser verificados a qualquer causa, conhecida por mim. Eu estava familiarizado, é claro, com tais distúrbios elétricos são produzidos pelo sol, Aurora Boreal e correntes de terra, e eu estava tão certo que ser essas variações não eram devidas a nenhuma dessas causas. A natureza dos meus experimentos excluía a possibilidade dessas mudanças serem produzidas por perturbações atmosféricas, como tem sido afirmado por alguns precipitadamente. Foi algum tempo depois, quando um pensamento passou em minha mente que tais distúrbios que eu havia observado poderiam ser devido a um controle inteligente. Embora eu não conseguia decifrar o seu significado, era impossível para mim pensar neles como algo inteiramente acidental. O sentimento está crescendo constantemente que eu tenha sido o primeiro a ouvir a saudação de um planeta para outro. Há uma finalidade por trás desses sinais elétricos; e foi com esta convicção que eu anunciei a Sociedade da Cruz Vermelha, quando me pediram para indicar uma das grandes realizações possíveis dos próximos cem anos, que provavelmente seria a confirmação e interpretação deste desafio planetário para nós.
Desde o meu retorno a Nova York, um trabalho mais urgente consumiu toda a minha atenção; mas eu nunca deixei de pensar sobre essas experiências e observações feitas no Colorado. Estou constantemente me esforçando para melhorar e aperfeiçoar o meu aparelho, e tão logo, irei novamente retomar o fio de minhas investigações do ponto onde fui forçado a deixar por um tempo.
A comunicação com os marcianos

No estágio atual de progresso, não haveria obstáculo insuperável na construção de uma máquina capaz de transmitir uma mensagem a Marte, nem haveria qualquer grande dificuldade em sinais de gravação transmitidas a nós pelos habitantes do planeta, se fossem qualificados. A comunicação, uma vez estabelecida, mesmo da forma mais simples, como por um mero intercâmbio de números, seria um rápido progresso em direção a uma comunicação mais inteligível. Certeza absoluta quanto ao recebimento e intercâmbio de mensagens seria alcançado assim que poderia responder com o número "quatro", em resposta ao sinal de "um, dois, três." Os marcianos, ou os habitantes de qualquer planeta, iria entender de uma vez que tínhamos pego a sua mensagem através do golfo do espaço e enviado de volta uma resposta. Para transmitir o conhecimento de forma por esses meios, ao mesmo tempo muito difícil, mas não impossível, e eu já encontrei uma maneira de fazê-lo.

Que tremenda agitação isto faria no mundo! Quando ela virá? Levará um tempo para ser realizado e deve ser claro para todos os seres pensantes. Algo, no mínimo, a ciência ganhou. Mas espero que, em breve, minhas experiências no Oeste não sejam apenas contempladas a uma visão, mas um avistamento de uma grande e profunda verdade. 



Conteúdo original: (aqui)
Tradução: Kátia Brunetti
http://about.me/katiabrunetti3
Traduzido exclusivamente para este blog.
http://fabioibrahim.blogspot.com/2015/05/nikola-tesla-conversando-com-os-planetas.html
Se for copiar e colar, mantenha o conteúdo e os créditos acima.







.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vídeos

Loading...