Pesquisar neste blog

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Idiocracia: Qualquer semelhança com o "Brasil" não é mera coincidência

cena do filme

"Sugestão"

Uma amiga que vive nos Estados Unidos sugeriu esse filme. Assisti ele ontem e resolvi compartilhar com vocês. Portanto, foi um trabalho danado pra encontrar esse filme... afinal, não encontra fácil... pode tentar.
Aliás, agora tá fácil encontrar aqui nesta postagem. Mas até quando ele estará "online" aqui?
Provavelmente por pouquíssimo tempo!  
Claro, vão tirar do ar. Um filme que "diz a verdade" não é bom para quem controla, não é mesmo?

Estou postando abaixo, o vídeo, mas antes, há um artigo e ele todo não é de minha autoria, mas que achei interessante copiá-lo aqui para os leitores.

Por que é um filme interessante?
Bom, em resumo, posso dizer que ele retrata bem o caminho que o "Brasil" (povo) está percorrendo.
Brasil?.... Não posso dizer de outros países... mas que tem muito a ver com o monte de bolsa (família e outros) que o governo rouba* de uns pra dar pra outros... (rouba = leia-se: contribuinte é obrigado a pagar o que o governo impõe)... mantendo-os na ignorância....
Enfim, assistam o filme e entenderão.
É um filme um pouco diferente, mas vale assistir... mesmo sendo 'bobo'... pois é bobo de tão realista que é... e muita coincidência com a realidade do nosso país.



Segue o artigo...

Idiocracia – Um dos melhores filmes que você provavelmente nunca viu

O site JoBlo tem uma coluna chamada de ‘O Melhor Filme Que Você Nunca Viu’, qua fala de filmes (não só de heróis ou de ficção científica) que são muito bons mas que não receberam a atenção do público geral que merecem. O que apareceu nesta semana chamou a atenção pelo contexto que estamos vivendo no país e também pela atitude geral que é retratada nos comentários do site e da página. Veja a tradução abaixo…

Os envolvidos:
O criador de Beavis and Butthead Mike Judge escreveu e dirigiu o filme, seguindo no encalço de seu outro filme cult, Como Enlouquecer seu Chefe. O papel de Joe Bauer /Não Tenho Certeza é interpretado por Luke Wilson, Maya Rudolph interpretando uma prostituta que “viaja no tempo” com ele para o futuro “desolado”. Terry Crews faz o Presidente Comacho e Dax Shepard faz Frito, um aliado improvável para Wilson e Rudolph. Há uma série de rostos familiares que surgem por toda parte, incluindo uma participação especial de Justin Long como um “médico”.

A história:
Mais conhecido por sua série animada Beavis e Butthead e filme cult Como Enlouquecer seu Chefe, Mike Judge escreveu Idiocracia como um meio para cumprir o seu contrato de dois filmes na Fox e encontrar um local para expressar seu ponto de vista sobre a trajetória da sociedade americana. Imaginado como um “2001 que deu errado”, onde a sociedade piorou em vez de melhorar, o juiz atraiu Luke Wilson para o projeto, o que levou a ele finalmente, ser feito. A Fox, no entanto, não conseguia descobrir o que fazer com o filme uma vez que concluído e não fez nada com ele por quase um ano, antes de liberá-lo apenas em cinemas suficientes para cumprir o acordo de distribuição. Na maioria dos lugares nos EUA onde foi lançado, o título não foi nem enviado, e foi listado como “Comédia de Mike Judge Sem título”.
 Naturalmente, o filme afundou, devido a não haver trailers kits de imprensa, ou projeções para os críticos (aqui no Brasil ele nem chegou a passar nos cinemas). É um dos casos mais polêmicos de um filme que foi varrido para debaixo do tapete, especialmente já que a Fox nunca admitiu o motivo real, mesmo para Judge. Na bilheteria final, somaram 444 mil dólares em todo o mundo, a partir de um orçamento especulado em US$ 20 milhões. Desde o seu lançamento a jato, o filme ganhou um lento e constante culto de seguidores e continua a ganhar seguidores que finalmente podem ver a sátira magistral e hilária que ele oferece.

Porque o filme é ótimo:
Idiocracia é uma das melhores sátiras sociais modernas já feitas. Como o brilhante trabalho dos criadores de South Park Matt Stone e Trey Parker, o escritor/diretor Mike Judge se inspirou a partir das tendências ridículas da vida moderna e criou um “2001″, onde as coisas não saíram tão puras e evoluídas. Idiocracia não é tão engraçado porque é verdade, mas é mais porque poderia ser verdade. Eu gosto de pensar que ainda há esperança para a humanidade, mas Idiocracia pinta um retrato que é difícil negar.
Quando o soldado do exército insignificante de inteligência média Joe Bauer (Luke Wilson) é voluntário para uma experiência super secreta do exército que iria vê-lo “congelado” por um ano, algo dá errado e ele é esquecido por 500 anos. Joe desperta para um mundo que retrocedeu tanto que as formas mais absurdas de idiotice foram incorporadas no cotidiano, o que fez dele o homem mais inteligente da Terra.
Joe é acompanhado pela colega voluntária/prostituta, interpretada brilhantemente por Maya Rudolph, que desperta ao mesmo tempo, mas não tem tantos problemas para se encaixar na sociedade emburrecida. No entanto, os dois têm uma ligação estranha e Joe a carrega ao longo de sua jornada, aparentemente para salvar o planeta de si mesmo. Ao longo do caminho, ele se junta com um estúpido “advogado”, interpretado por Dax Shepard, que ironicamente já se envolveu nos tipos de programas (Punk’d) que foram rotulados como parte da vinda do apocalipse social. Talvez o personagem mais popular do filme é presidente Comacho, interpretado com perfeição por Terry Crews, como um ex-lutador/ator pornô que agora é o líder do mundo livre.
O que acontece depois é uma viagem através de um pesadelo de reality TV, onde tudo na sociedade, de entretenimento, compras, comer, e até mesmo ir ao hospital, prisão ou mesmo o tribunal tornou-se uma vitrine para a loucura idiota (veja Stephen Root como um juíz com cabelo do “Wolverine”). Tudo foi emburrecido para ser o mais rápido, barato e fácil possível, criando assim o caos absoluto em todos os aspectos da existência do dia-a-dia. Patrocínio de empresas é fundamental, onde as pessoas, a fala, nações e tudo mais estão de alguma forma ligados a uma marca. Soa muito irreal?
Idiocracia espreita sob a capa do que espera uma sociedade que renuncia a busca pelo conhecimento e progressão, optando para o rápido e fácil. Esqueça os seus futuros distópicos como os de Star Trek ou Total Recall. Este é um lugar onde você pode comprar diplomas de direito no Extra, beber bebidas esportivas a partir de uma fonte de água, e obter favores sexuais na padaria. Se você está pensando que soa muito legal, então talvez seja hora de se inscrever em alguma universidade privada e repensar a sua vida ” ao estilo Obi-Wan”.
O que Idiocracia faz tão bem, também, é que ele nunca fica moralista ou tenta levá-lo a pensar de uma maneira ou de outra. Ele permite que você ria do absurdo, ainda reconhecendo a possibilidade de que muito do que você está rindo poderia se tornar realidade, literalmente ou em alguma variação. Você provavelmente vai encontrar-se falando: “Isso é tão verdadeiro!” enquanto cada cena “ridícula” acontece. E as idéias são apresentadas com perspicaz precisão; quiosques de fast food, híbridos de cadeira/banheiro, âncoras de notícias semi-nuas, e uma sentença de “reabilitação”, que envolve uma audiência, monster trucks, um lançador de granadas e um maçarico.
Com um elenco perfeitamente escolhido, sátira hilária e certeira, e muitas de dicas inteligentes para um futuro possível “distópico”, Idiocracia é um filme que foi antes do tempo e que nunca teve a oportunidade de se conectar com o público mainstream. É o meu palpite de que um dos maiores detratores de seu lançamento minúsculo foi para evitar retaliações daqueles que se ofendem, principalmente porque eles se encaixam no que é apresentado na tela. E, infelizmente, muitos o fazem. No entanto, acho que Idiocracia é mais uma comédia de advertência, que fala muito sobre onde estamos, para onde vamos e como contornar um mundo onde ver Big Brother e sobreviver apelas pelo alfabetismo funcional é mais importante do que ler livros.

Traduzido do JoBlo  (Fonte do artigo)


Idiocracia: o mundo governado por idiotas



.

9 comentários:

  1. Excelente!!!
    Me escreva, vamos escrever juntos um artigo: anakyzzy@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. O filme retrata exatamente o oposto do que voce esta pregando. Voce coloca a responsabilidade da idiotice das pessoas nas políticas do Estado. O filme fala do domínio do mercado, não do Estado. O filme critica o consumismo ignorante e alienador. As roupas com marcas de todos os productos, as pessoas manipuladas por uma empresa que diz que agua faz mal, para obriga-las a tomar um energético. Esta ignorancia e uso de bebida comercial imposta pelo monopólio do mercado, em lugar da agua natural foi a causa da eliminação das colheitas e da nuvem de po que estão levando a população a uma crise alimentar. O pais é obviamente os EUA, onde o filme foi produzido nos EUA e é mais que evidente a exposição de cenas, imagens, marcas estadunidenses. É uma crítica à sociedade estadunidense, que os brasileiros críticos do Estado, como voce, idolatram. Apesar de nos EUA os impostos serem mais altos que os do Brasil, eles geraram a crise econômica de 2008-2009, justamente porque radicalizaram a ausência do Estado no controle da economia e do mercado. Não é o primeiro filme sobre esta critica ao mercado desregulado e da falta de responsabilidade do Estado. Mas voces não entendem nada da mensagem, distorcem e trazem para o Brasil que tinha regulações, também financiadas pelos impostos, para evitar este futuro assustador. Tinha milhões bolsas de estudos, Bolsa Familia, Prouni, FIES, justamente para evitar que os pobres sejam ignorantes como neste filme que retrata a sociedade dos EUA, com mais impostos e menos bolsas que o Brasil. Agora o novo governo está mostrando a copia desta sociedade beócia no Brasil. Antes não éramos assim, mas nos aproximamos rapidamente desde o golpe. A idiocracia está no poder no Brasil agora, e não foi por causa das bolsas de estudo, foi exatamente por causa das criticas ignorantes que foram feitas á educação em massa. Entao assista de novo, leia, estude e pense, como diz o personagem principal do filme, antes de soltar ódio e ignorância e interpretações infantilizadas sobre o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estudei em universidade particular, pagando a mensalidade com o meu dinheiro, fruto do meu trabalho. Nunca dependi do dinheiro do povo (vulgo dinheiro público) e nem dos benefícios ou privilégios. Não quero! Quero trabalhar honestamente, apenas isso. Sem influência do estado em querer se intrometer na minha vida. O típico Estado se apropriado pelo poder de esquerda, maquinando tudo e quase todos, é que tornou ainda mais o Brasil um país corrupto.
      Por que comento isso? Para que compreenda, antes de julgar, que você foi infeliz nesse seu comentário estúpido. Sou a favor da liberdade e não do Estado (escravidão).

      Lembrete: o artigo não é meu e fiz o post conforme recebi na época.
      E o filme MOSTRA SIM o que a esquerda estava fazendo com o Brasil. Idiotizando.. aliás, veja como pensam a maioria deles... infelizmente.

      Não sei qual é a sua por trás da tela, mas antes de julgar, procure conhecer quem sou e observe também os detalhes da origem do artigo.

      SELVA!!!

      Excluir
    2. Você pagou a universidade porque tinha meios que a maioria não tem, aí estão os privilégios! O comentário do rapaz está correto, basta assistir o filme. Uma EMPRESA em um livre mercado capitalista comprou estatais , inclusive o FBI e assim manipulou a massa que estava seduzida pelo consumismo. Não é uma questão de opinião, o narrador fala isso com todas as letras! A empresa comprou tudo do Estado para , com o monopólio, doutrinar a população imbecilizada! Estudei na UFRJ, pública, sustentada por dinheiro de impostos que todos pagamos, porque passei no vestibular! ;)

      Excluir
    3. Aline, paguei porque trabalhei. Trabalho não é privilégio. Privilégio é tirar proveito do suor alheio e achar que vestibular prova competência.

      Excluir
  3. A mensagem principal do teu post é Paulo Freire na veia, com certeza voce foi educado com o metodo Paulo Freire, que diz que a educação envolve todos os aspectos da vida, ou deveria. Absurdo é voce achar que saber datas históricas é inútil. Isso Paulo Freire nunca disse, essa parte do teu discurso é típica da idiocracia. Datas e fatos sao fundamentais, alem de todos os outros aspectos da vida, foi o que ensinou Paulo Freire. Mas voce aprendeu pela metade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristina Gomes, valeu pela visita.
      Mas já antecipo a sua ignorância a respeito do seu julgamento: a fonte do "artigo" está no link, no final dele.
      E sobre os aspectos educacionais, eu não sou de Esquerda (PT, Psol, PCdoB, PMDB, PSD) e muito menos curto Paulo Freire.
      Se você olhar a data do post, 23/02/2014, eu nem pensava no aspecto educação-partidária que é o caso de Paulo Freire. Ou seja: ideológica.
      É sabido que o filme foi feito com base nos EUA. Mas não somos diferentes deles. O filme é uma reflexão e na época, eu encontrei o artigo (me enviaram) e decidi compartilhar pelo filme, não julgando o lado do telespectador (leitor) brasileiro. Afinal, cabe a cada um ter discernimento. Não sou eu aqui a julgar a sua sabedoria suprema em me condenar com suas palavras.

      Excluir
  4. Aqui a idiocracia e mais refinada
    Mas a hipocrisia ainda reina em todos os cantos
    País mimado

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...