Google+ Followers

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 7 de junho de 2010

"Pai" das ficções sobre alienígenas é relançado

Roberto de Sousa Causo
De São Paulo

Sábado, 5 de junho de 2010, 21h16
O  livro  O Fim da Infância , lançado pela editora Aleph
O livro O Fim da Infância, lançado pela editora Aleph
04 de junho de 2010
Divulgação



O Fim da Infância (Childhood's End), de Arthur C. Clarke. São Paulo: Editora Aleph, 2010, 319 páginas. Tradução de Carlos Angelo. Capa de Thiago Ventura e Luiza Franco.

Por Marcello Simão Branco

Arthur C. Clarke escreveu O Fim da Infância entre fevereiro e dezembro de 1952, quando tinha 35 anos. Publicado um ano depois, mostrou ser a sua obra-prima, dentre outras de quilate semelhante que viriam posteriormente, como A Cidade e as Estrelas (The City and the Stars; 1956) e Encontro Com Rama (Rendezvous with Rama; 1973).


O Fim da Infância
é uma das obras mais pungentes e influentes da ficção científica da segunda metade do século 20 por tratar de um tema comum no gênero, a partir de uma perspectiva incomum - ao menos para a época: uma invasão de extraterrestres aparentemente benignos que ocultam da humanidade os reais propósitos da sua missão. Pode-se dizer que o romance estabeleceu um marco de qualidade superior para o tema, que tinha como principal referência o bélico e politicamente crítico A Guerra dos Mundos (The War of the Worlds), do também britânico H.G. Wells, publicado em 1898. Tornou possível que as interações entre espécies e civilizações diferentes pudessem alcançar novos parâmetros de criação e interpretação, fugindo do maniqueísmo do bem contra o mal - ou do alienígena vilanizado -, então vigente, e inaugurou uma temática que seria recorrente na carreira de Clarke: a da vida humana justificada por sua evolução final para uma transcendência cósmica.

É este o livro que a Editora Aleph oferece ao leitor brasileiro, numa edição primorosa em todos os sentidos: solução instigante e perturbadora na ilustração de capa; boa tradução de Carlos Angelo; um prefácio do autor escrito em 2000; a apresentação de um primeiro capítulo alternativo escrito depois da Guerra Fria, mas depois sabiamente rejeitado pelo autor; e a publicação inédita do conto "Anjo da Guarda" (1950), que inspirou a criação posterior da primeira parte do romance.

O Fim da Infância segue o projeto da Aleph de relançar livros notáveis da FC há algumas décadas fora de catálogo. Títulos anteriores incluem A Trilogia da Fundação (Foundation Trilogy), de Isaac Asimov, e A Mão Esquerda da Escuridão (The Left Hand of Darkness), de Ursula K. Le Guin. Este livro de Clarke apareceu primeiro em Portugal, ainda nos anos 50, na lendária Coleção Argonauta, em seu número 26, com o título de A Era de Ouro. No Brasil, foi primeiramente lançado em 1979 pela editora Nova Fronteira, com o mesmo título de agora. Trinta anos depois, justifica-se um relançamento pela importância da obra e por colocar novamente nas livrarias um autor importante e com histórico de boas vendas no país.

Estamos nos anos 70, em plena Guerra Fria e com americanos e soviéticos prestes a lançarem seus foguetes para a Lua. Sem aviso algum, gigantescas naves alienígenas surgem nos céus das principais cidades da Terra anunciando uma nova era. Os homens não mais iriam ao espaço; ao contrário, aqueles a quem buscávamos - uma civilização inteligente - vieram até nós. Para o leitor mais jovem ou ligado ao cinema, a vinculação imagética é quase imediata à de filmes como Independence Day (1996) e o mais recente Distrito 9 (2009). Mas a possível semelhança se encerra na imagem das naves pairando nos céus das metrópoles.

Os Senhores Supremos impõem um despotismo esclarecido à humanidade: obrigam todos a cessarem suas guerras e disputas nacionalistas. Em poucos anos é estabelecido um governo mundial que se reporta aos alienígenas. Toda a administração econômica e social é supervisionada por eles, que trazem um grau inédito de qualidade de vida e paz a todos os homens e seres vivos do planeta. Uma verdadeira utopia torna-se realidade, mas os novos governantes proíbem os terrestres de deixarem o planeta e agirem em qualquer ramo de conhecimento - ciência, religião e artes - sem que tenha a sua aprovação.

Os alienígenas não explicitam as razões de sua visita e do seu domínio incontestável que eliminou também a chance real de autodestruição com um holocausto nuclear. Escrito nos anos 50, o livro ecoava os temas sensíveis da política internacional de então: a corrida armamentista entre americanos e soviéticos, e o conseqüente perigo iminente de um conflito catastrófico.

O livro discute em profundidade a questão da escolha moral entre uma situação permanente de segurança e prosperidade versus a de livre arbítrio, quando nossas escolhas encaminham o nosso destino. Se a utopia traz um bem estar jamais conhecido, também esmorece as inquietações humanas, tornando as sociedades e culturas mais indolentes e homogêneas: a busca do conhecimento e da criação artística perde ímpeto e sentido em meio à riqueza material e a resignação com a perda da liberdade.

Mas qual é mesmo o objetivo final dos Senhores Supremos? A resposta vem de forma chocante. Passados 50 anos, os Senhores Supremos mostram-se fisicamente pela primeira vez. E a imagem apavora, pois remete ao que existe de mais sinistro no imaginário religioso ocidental. Seriam eles o cumprimento às avessas de uma profecia? Uma possível interpretação místico-religiosa para o livro é inevitável, mas não é a única, embora possivelmente a mais perturbadora.

Senão vejamos. A analogia entre os Senhores Supremos e o que eles oferecem - ou melhor, impõem - à humanidade é clara: em troca da paz e prosperidade, levaremos por fim as suas "almas", representadas neste caso pelas figuras puras e imaculadas das crianças. Só que aqui talvez o fato seja ainda mais sombrio, pois não foi - e nem poderia ser - dado a conhecer ao homem o verdadeiro propósito das intenções dos conquistadores extraterrestres.

Quando li este livro pela primeira vez, aos 17 anos, tive um grande impacto existencial: nem a busca pela felicidade, a luta pela liberdade ou por ideais, a crença em Deus ou a esperança num porvir fazia sentido nesta vida. A humanidade encontraria seu sentido na interação com forças desconhecidas do Cosmos. Mais propriamente, no romance, estava condenada, com uma última geração de crianças a sofrer súbitas mutações que as transformaram em seres com um propósito além do compreensível. Nesse esquema, mesmo os Senhores Supremos são apenas os guardiões de um processo controlado por uma espécie ainda superior a ela, que manifesta seu poder através da indução de mutações em outras espécies, que desenvolveriam incríveis poderes mentais rumo a uma união coletiva entre diferentes civilizações do Universo.

Relendo este livro agora, mais de vinte anos depois, fico com uma sensação de renovado estranhamento sobre as implicações existenciais, ainda que relativizada por outras experiências e formas de conhecimento. Clarke defende que o Universo não é para o homem, pois é um ambiente incognoscível à nossa capacidade de compreensão, e em relação com forças que muito nos superam. Tal argumento é estranho vindo dele, que se notabilizou em incentivar a exploração do espaço e os avanços da tecnologia, e ele mesmo sublinha esta aparente contradição no prefácio do livro. Talvez para se eximir, na edição original da obra, era antecedida pela frase: "As opiniões expressas neste livro não são as do autor." Como observa David Pringle, em Science Fiction: The 100 Best Novels (1985), é possível que Clarke tenha feito um paralelo dos Senhores Supremos com o papel dos britânicos como colonizadores civilizadores da Índia e outros países do Sul da Ásia - que, no caso, seriam os terrestres no romance -, até cumprirem sua "missão" e os libertarem no final dos anos 40, na mesma época em que Clarke escrevia O Fim da Infância.

Em todo caso, a linha de interpretação místico-religiosa, apesar de toda a moldura realista que Clarke procura construir no mundo criado pelos Senhores Supremos, dá também a medida de sua linha de pensamento e abordagem que viria a seguir, em obras como 2001: Uma Odisséia no Espaço (2001: A Space Odissey, 1968) - livro e filme -, que, inclusive, é mais sutil a respeito dos impactos do relacionamento da humanidade com os mistérios do Universo. Nesse sentido, O Fim da Infância é mais contundente e explícito, mas não menos inquietante.

Se o título do romance nos remete ao encontro da humanidade com o fim de seus sonhos e ilusões, a obra mostra maturidade precoce do autor em abordar um tema polêmico e fascinante, ajudando a iluminar - possivelmente influenciado por sua longa convivência com as culturas hindu e budista -, eventuais explicações para a condição humana e sua relação com o Universo, que estará sempre a surpreender. Seja pelo encantamento, seja pelos mistérios que nos intriga.


-- Marcello Simão Branco é um dos editores, com Cesar Silva, do Anuário Brasileiro de Literatura Fantástica.


Escritor e crítico, Roberto de Sousa Causo é autor do romance
Anjo de Dor.


Fale com Roberto Causo: roberto.causo@terra.com.br
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais de Terra Magazine.
Terra Magazine
Leia esta notícia no original em:
Terra - Brasil
http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4472210-EI6622,00.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vídeos

Loading...