Google+ Followers

Pesquisar neste blog

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Telescópio Hubble registra possível colisão entre dois asteroides

Quarta-feira, 3 fev 2010
 
 
No dia 6 de janeiro de 2010, uma equipe de pesquisadores do programa LINEAR, nos EUA, descobriu um estranho objeto na órbita solar. Sua aparência era tão intrigante que até mesmo imagens do telescópio Hubble foram solicitadas. O resultado foi a revelação de um objeto muito diferente de qualquer outro já observado.

Colisão de asteroides

Batizado de P/2010 A2 pelos cientistas do Linear, um programa do MIT que pesquisa objetos próximos à Terra, o objeto aparentava ter uma longa cauda, o que levou os pesquisadores a imaginar que poderia ser um tipo raro de cometa que orbita a região do Cinturão de Asteroides, entre Marte e Júpiter. No entanto, as imagens do telescópio Hubble mostraram que a suposta cauda não continha qualquer tipo de gás e seu núcleo de 140 metros estava deslocado do centro da cauda, revelando uma estrutura bastante incomum para esse tipo de objeto.

Como a órbita de P/2010 A2 o encaixa na região do Cinturão de Asteroides, uma hipótese preliminar aponta para um fato ainda mais interessante: o objeto seria o remanescente de uma recente e violenta colisão entre dois pequenos asteroides. Se confirmada, a possível colisão ocorreu a 15 mil quilômetros por hora e liberou energia superior a de uma bomba nuclear.

De acordo com David Jewitt, ligado à Universidade da Califórnia, a pressão do vento solar espalhou os detritos na forma de uma longa cauda. "Isto é completamente diferente do suave envelope de pó dos cometas. No caso de P/2010 A2, os filamentos são feitos de poeira e cascalho, provavelmente extirpados de seu núcleo. Com a pressão da luz solar alguns fragmentos foram empurrados para trás, criando a esteira de poeira em linha reta, visível nas imagens.

A aparência filamentária de P/2010 A2 também é muito diferente das imagens de cometas captadas pelo telescópio Hubble, o que reforça a teoria do impacto. Além disso, a teoria é consistente com a ausência de gás nas raias espectrográficas registradas pelos telescópios em terra.


Asteroides Flora
O cinturão de asteróides contém evidências abundantes de antigas colisões entre objetos. Segundo Jewitt, a órbita de P/2010 A2 é consistente com a da família de asteroides Flora, criada pelo impacto de objetos há mais de 100 milhões. Alguns pesquisadores acreditam que foi um desses fragmentos que atingiu a Terra há 65 milhões de anos e provocou a extinção em massa dos dinossauros, mas até agora nenhuma dessas colisões haviam sido registradas.

Um estudo mais aprofundado de P/2010 A2 poderá indicar a natureza dos corpos envolvidos e ajudar aos cientistas a conhecer melhor os anos de juventude do Sistema Solar, quando colisões similares eram comuns.


Foto: Imagem captada pelo telescópio espacial Hubble mostra os restos de uma possível colisão entre asteroides, batizada de P/2010 A2. Quando a imagem foi feita, o objeto estava a 150 milhões de quilômetros da Terra. Crédito: NASA, ESA, D. Jewitt (University of California, Los Angeles), LINEAR MIT (Massachussets Institute of Tecnology)

 

Direitos Reservados
Ao utilizar este artigo, cite a fonte usando este link:
Fonte: Apolo11 - http://www.apolo11.com/cometa_73p.php?posic=dat_20100203-084342.inc

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vídeos

Loading...